Orofacial #37 – Prótese Total (“Dentadura”): Por que Você Deve Evitá-la? Parte 2: Minimizando os Problemas com as Dentaduras.

Tempo de leitura: 4 minutos

Prótese Total (“Dentadura”): Por que Você Deve Evitá-la?
Parte 2: Minimizando os Problemas com as Dentaduras.

No post passado, mostrei o porquê substituir os dentes naturais por dentaduras pode ser um péssimo negócio.

Se você não leu este post, confira em http://www.orofacial.com.br/orofacial_36

 

Neste post, vou mostrar como uma pessoa que já faz uso de dentaduras pode – ao menos – minimizar os seus efeitos negativos.

 

1°) Baixa Eficiência Mastigatória: As dentaduras, como vimos, por melhor que elas sejam feitas, somente restabelecem 16% da eficiência mastigatória original da pessoa.
Para melhorar a eficiência mastigatória, não há outro jeito senão a colocação de implantes. Estes implantes podem substituir de vez a dentadura, eliminando o seu uso; ou ainda servirem como uma espécie de “botão de pressão”, os quais fixam e travam a dentadura em posição. Veja as figuras.

 Implantes para reabilitação total

2°) As dentaduras, em geral, não são muito confortáveis de serem utilizadas; algumas até machucam a boca e podem criar verdadeiros calos na mucosa da boca da pessoa: Para se evitar o desconforto do uso das dentaduras, pode-se recorrer aos implantes, conforme a figura mostrada acima.
Por outro lado, se a dentadura está incomodando, você deve ir ao dentista a fim de que ele possa fazer alguns ajustes nela. Não se deve utilizar dentaduras desconfortáveis ou que causam ferimentos na boca, uma vez que isso pode levar a verdadeiros “calos” na boca da pessoa.

Desconforto

 

3°) As próteses são feitas de acrílico; portanto, não são muito resistentes ao desgaste ou a quebra, como os nossos dentes naturais: Realmente, este é um efeito muito ruim das dentaduras; elas não servem para mastigar qualquer coisa. Deve-se selecionar alimentos mais macios, a fim de preservar a sua estrutura. Os implantes dentários permitem uma maior liberdade de mastigação;

 

4°) O uso constante, das dentaduras podem ocasionar micoses por debaixo delas e dar mau-hálito: as dentaduras não foram feitas para serem utilizadas 24hrs por dia, 7 dias por semana…seria o mesmo de se utilizar um sapato 24hrs, sem descanso…o que ocorreria? Micose.
Para tratar micose, deve-se consultar o dentista, ok? Ele vai prescrever medicamentos e orientar quanto ao uso, conservação e higienização da dentadura.

Por outro lado, posso adiantar que as dentaduras não deveriam – como regra – serem usadas durante o horário de sono (salvo, é claro, se o seu dentista assim o tenha recomendado). durante este período sem uso, a dentadura deve ser armazenada imersa em água. Muitas vezes, aproveita-se este período para desinfetar a dentadura, por meio de produtos antibacterianos específicos. Consulte o seu dentista.

Não usar álcool ou cloro (“Cândida”) uma vez que estes produtos químicos atacam o acrílico da prótese, fragilizando a sua estrutura e favorecendo a sua quebra.

 Dentadura+Água

Além da imersão noturna, as dentaduras devem ser higienizadas (limpas) por meio de escovas dentárias, a fim de remover os resíduos alimentares que grudam nela durante as refeições. Não se deve usar cremes dentais junto com a escova para higienizar a dentadura, uma vez que estes cremes possuem abrasivos (ou seja, substâncias ásperas), o que poderia provocar riscos no acrílico. A presença de riscos na dentadura faz com que ela perca gradativamente o seu polimento e brilho, favorecendo mais acúmulo de resíduos e  perda da estética dos dentes dela.

 

5°) As dentaduras devem ser trocadas periodicamente, uma vez que elas perdem retenção (ficam “folgadas”) e passam a soltar da boca: Realmente, nada é eterno. As dentaduras devem ser trocadas. Se elas estão caindo da boca da pessoa e ainda não houve tempo para trocá-las, deve-se utilizar um fixador (um tipo de “cola”) de dentadura (ex: Corega).

Atualmente, a odontologia preconiza – sempre que possível – a colocação de implantes dentários, evitando-se a reabilitação com dentaduras. Isto porque, com o passar dos anos (às vezes décadas) ocorre progressiva perda de osso do maxilar da pessoa, o qual ajuda a reter a dentadura em posição. Com a falta de osso de suporte, não há como a dentadura ficar retida na boca da pessoa, sobretudo durante a mastigação.

Daí vem o grande problema:  ao mesmo tempo em que a dentadura não fixa mais devido à falta de osso de suporte, a colocação de implantes dentários não é muito simples, uma vez que não há osso suficiente para a sua fixação.

Nestes casos em que há falta de osso de suporte, não há outro jeito de fixar implantes dentários senão a colocação de grandes enxertos de osso no maxilar. Estas cirurgias em geral são mais extensas e caras para o paciente.

Dúvidas sobre implantes?

Veja este post  Implantes Dentários – Alguns Conceitos Básicos

 

Consulte sempre o seu dentista e cuide bem de seus dentes, ok?

 

 

6 Comentários


  1. Boa tarde, Wagner Munhoz.
    Existe alguma ilustração com a prótese clipada? Gostaria de conversar com meu dentista apresentando essa ilustração.
    Obrigado

    Responder

  2. Boa tarde, estou num impasse sobre o que fazer, tenho consultado alguns dentistas e não consegui me decidir, porém, vendo suas ilustrações acima (2), fiquei esperançoso de encontrar a solução com a ilustração de baixo que entendi que a prótese é clipada, permitindo sua remoção para higienização, ou reparo dos dentes. É isso? Esses quatro pinos seguram bem a prótese?
    Obrigado.

    Responder

    1. Olá, Antonio.

      Sim, as próteses sobre implantes indicadas para pessoas edêntulas totais podem ser fixas (parafusadas ou cimentadas) ou removíveis (com clips de retenção).

      Existem próteses toais removíveis que somente se apoiam em cima de até 2 implantes apenas. É bem verdade que quanto maior o número de implantes, melhor tende a ser a estabilidade da prótese, evitando possíveis deslocamentos.

      As próteses sobre implantes removíveis tendem a dar um pouco a mais de manutenção (necessidade de retorno ao dentista após a entrega da prótese) com o passar dos anos, dependendo do sistema de encaixe delas. É que existem alguns sistemas que tendem a afrouxar o clips com o passar dos anos, necessitando a sua troca.

      Sugiro que você converse bem com o seu dentista, a fim de colher as informações precisas sobre o seu caso.

      À disposição para outros esclarecimentos,

      Wagner Munhoz

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *